Chega de Saudade – João Gilberto e Caetano Veloso

Vai minha tristeza
E diz a ela que sem ela não pode ser
Diz-lhe numa prece
Que ela regresse
Porque eu não posso mais sofrer

Chega de saudade
A realidade é que sem ela
Não há paz não há beleza
É só tristeza e a melancolia
Que não sai de mim
Não sai de mim
Não sai

Mas, se ela voltar
Se ela voltar que coisa linda!
Que coisa louca!
Pois há menos peixinhos a nadar no mar
Do que os beijinhos
Que eu darei na sua boca

Dentro dos meus braços, os abraços
Hão de ser milhões de abraços
Apertado assim, colado assim, calado assim,
Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim

Que é pra acabar
Com esse negócio
De você viver sem mim
Não quero mais esse negócio
De você longe de mim
Vamos deixar desse negócio
De você viver sem mim

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Cazuza – o mundo é um moinho

Esta belíssima canção tem uma história por traz, estou pensando em escrever sobre a história das musicas, por exemplo esta musica é de autoria do grande compositor cartola e leva a preocupação do mesmo com sua filha adotiva Creusa Francisca dos Santos, este se preocupava com suas opções amorosas, fonte Wikipedia.

Ainda é cedo, amor
Mal começastes a conhecer a vida
Já anuncias a hora de partida
Sem saber mesmo o rumo que irás tomar

Preste atenção, querida
Embora eu saiba que estás resolvida
Em cada esquina cai um pouco tua vida
Em pouco tempo não serás mais o que és

Ouça-me bem, amor
Preste atenção o mundo é um moinho
Vai triturar teus sonhos, tão mesquinho
Vai reduzir as ilusões a pó

Preste atenção, querida
De cada amor tu herdarás só o cinismo
Quando notares estás a beira do abismo
Abismo que cavaste com teus pés

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Belchior-Sujeito de sorte

Presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte
Porque apesar de muito moço me sinto são e salvo e forte
E tenho comigo pensado deus é brasileiro e anda do meu lado
E assim já não posso sofrer no ano passado
Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro
Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro
Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro
Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro

Presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte
Porque apesar de muito moço me sinto são e salvo e forte
E tenho comigo pensado deus é brasileiro e anda do meu lado
E assim já não posso sofrer no ano passado

Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorrro
Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro
Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro
Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro

Presentemente eu posso me considerar um sujeito de sorte
Porque apesar de muito moço me sinto são e salvo e forte
E tenho comigo pensado deus é brasileiro e anda do meu lado
E assim já não posso sofrer no ano passado

Tenho sangrado demais, tenho chorado pra cachorro
Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro
Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro
Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Quem sabe volte a escrever

Bem amigos e amigas que admiram a boa musica, e uma escrita diferenciada, tenho as vezes vontade de retomar a escrita do blog. Com cunho literário. Poesia, sentimento e boa musica. O que você acham? Se for possível deixe-nos um cometário com ideias do que poderíamos escrever, e quem sabe não retomemos a rotina de escrita que muito me agradava. Garanto debruçar-me para analisar cada um dos comentários.

 

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Herança maldita? Rosalba fecha 360 milhões de dólares em contratos no apagar das luzes

O denominado RN sustentável resulta de acordo de empréstimo com o banco mundial – BIRD e endividará a viúva em 560 milhões de dólares.

image

Falta de planejamento e clareza cercam o RN sustentável e os contratos fechados por Rosalba Ciarlini no final de sua gestão

Em tese, apresenta-se como um dos principais projetos para o desenvolvimento do Estado nos próximos cinco anos. Esta é a ideia alardeada.
Saindo da propaganda vazia, o que não está tão transparente assim é o fato de que a governadora, em final de mandato, assinará entre 260 a 300 contratos. Tais iniciativas, conforme testemunhos de quem esteve presente na última palestra promovida pelo atual governo sobre o assunto, nem seus próprios representantes souberam tangenciar indagações introdutórias. Apenas alaridos incompreensíveis aos ouvidos de quem procura coerência. 
A única evidência, esta sim indubitável, é que são bem adubados. Esses contratos, somados, atingem a bagatela, nada besta, de 360 milhões de dólares.
Um endividamento dessa magnitude, que será executado pelo próximo governador, precisa ser esclarecido, ao menos, com a equipe de transição em profundidade. Mas o ideal é que toda a sociedade e órgãos competentes fossem devidamente envolvidos, informados.
Pelo visto, insatisfações em decorrência da escuridão correm, o que demonstra um desenrolar bem distante disso. Há, isto sim, uma pressa grande e imprudente, para dizer o mínimo, no final da administração Rosa para empenhar 360 milhões de dólares no apagar das luzes.
Enfatizo. Estamos falando aqui a respeito do comprometimento ao equivalente a quase 10% da arrecadação estadual durante todo um ano de tributação. E cada centavo será pago com juros e correção. Não virá a fundo perdido. Abordamos o futuro de uma máquina, quebrada, e que, portanto, nao pode pecar mais uma vez pela falta de planejamento.
Herança maldita? Estelionato administrativo? É pior do que isso, pois sequer sabemos ao certo.

Retirado de: http://www.opotiguar.com.br/

Publicado em Informação, Política | Marcado com , | Deixe um comentário

Telhado de vidro

Ontem estivemos na casa do povo para aprovação do plano de cargos, salários e carreiras de todas as categorias com exceção do magistério, que teve seu plano aprovado há pouco tempo. Na oportunidade o poder executivo pediu através de requerimento a retirada do projeto, para que seja feito um estudo. Houve três vereadores que aproveitaram o momento e tentaram se promover, os mesmo três que assassinaram o plano dos professores em 2009 a mando de Aldivon Nascimento o prefeito da época. Neste momento todo mundo quer tirar vantagem da situação, mas esquecem da responsabilidade e que é mais trágico e frustrante para o servidor ter o plano aprovado e não ter as vantagens em seus contra cheques. Quem entende o mínimo possível de administração pública sabe que toda fonte de custeio tem que ter uma fonte de receita. Meu posicionamento é de que estou do lado da categoria, é um sonho dos servidores há muito tempo e um sonho meu por extensão, pois as vezes que fui candidato a presidente do SINDSERB, coloquei em minhas propostas de campanhas a luta pelo plano para as outras categorias, assim neste momento a luta das categorias envolvidas torna-se minha também. Tem muita gente conversando besteira, os blogueiros do absurdo estão em polvorosa e querem tirar proveito. Vamos ajudar, pensar uma situação para as categorias, ver o que é melhor para Baraúna. Isto é mais proveitoso do que ficar atirando pedras a esmo no telhado dos outros, quando o de vocês é tão frágil quanto fumaça, os nobres amigos tem telhado de vidro e na época em que estiveram na câmara a atuação de vocês foi uma vergonha, é muito facil acusar, vamos construir, cadê alguém quer? Ainda tem um que nem um cargo eletivo disputou, não tem nenhuma experiencia na área, e se se candidatar a juiz de jogo de castanha perde, por que a população não o tolera. Assim vamos construir uma Baraúna para o futuro, para nossos filhos e netos, para a posteridade e deixar de hipocrisia e bla bla blá inutil.

Publicado em Informação, Política | Marcado com , | Deixe um comentário

Asa branca – Quinteto violado

Asa branca 

Quinteto violado

Quando olhei a terra ardendo
Qual a fogueira de São João
Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação
Eu perguntei a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação

Que braseiro, que fornalha
Nem um pé de prantação
Por falta d’água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão

Por farta d’água perdi meu gado
Morreu de sede meu alazão

Inté mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão
Então eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração

Então eu disse, adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração

Hoje longe, muitas léguas
Numa triste solidão
Espero a chuva cair de novo
Pra mim voltar pro meu sertão

Espero a chuva cair de novo
Pra mim voltar pro meu sertão

Quando o verde dos teus olhos
Se espalhar na prantação
Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu voltarei, viu
Meu coração

Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu voltarei, viu
Meu coração

Publicado em Cultura | Marcado com | Deixe um comentário